quinta-feira, 2 de abril de 2015

Doutrinação infantil?


------------------------------------------------------------------------------------------------
O trecho abaixo é extraído de meu livro: "Deus é um Delírio?"
 ------------------------------------------------------------------------------------------------


No livro “Em Guarda”, o apologista e filósofo cristão Wiliam Lane Craig afirmou com razão:

“Há muitos anos Quentin Smith, um filósofo ateu, sem a menor cerimônia, elegeu o argumento de Stephen Hawking contra Deus, em ‘Uma breve história do tempo’, como ‘o pior argumento ateísta de toda a história do pensamento ocidental’. Com o lançamento da obra ‘The God Delusion’ chegou o tempo, assim creio, de livrar o argumento de Hawking do peso desse título e de passar o título de pior argumento para a tese de Richard Dawkins”[1]

O problema de Dawkins não é exatamente falta de inteligência – o que ele tem de sobra – mas falta de compreensão. C. S. Lewis (1898-1963), embora jamais tenha ouvido falar de Dawkins enquanto vivo, parecia estar falando dele quando escreveu que “tais pessoas constroem uma versão de Cristianismo adequada a uma criança de seis anos e fazem daquela o objeto de seu ataque”[2]. Como estes ataques são em geral vazios e desprovidos de argumentação sólida e consistente, Dawkins precisa apelar. Como? Pela força. Ele sabe que pela via intelectual estará fatalmente fadado ao fracasso, então ele abre o jogo e mostra o seu Plano B, que é a censura e a perseguição contra os religiosos.

Nada do que ele escreveu em “Deus, um Delírio” é tão chocante quanto a sua apologia explícita à repressão e ao cerceamento da liberdade e da livre expressão da opinião, ao ponto de ele exaltar aqueles que dizem que a doutrinação infantil deve ser proibida e punida pelo Estado. Ele cita Nicholas Humphrey, a quem chama carinhosamente de “meu colega”, e descreve que “ele prosseguiu, entrando em choque com sua personalidade de liberal, na defesa de uma exceção importante: argumentar a favor da censura no caso especial da educação moral e religiosa de crianças, e principalmente da educação que a criança recebe em casa.

Para piorar as coisas, ele prossegue dizendo:

“Não devemos permitir que os pais ensinem os filhos a acreditar, por exemplo, na veracidade literal da Bíblia ou que os planetas governam sua vida, assim como não permitimos que eles arranquem os dentes dos filhos ou os tranquem num calabouço”

Eles defendem a ideia de que o Estado tem que intervir como um legítimo Estado stalinista-ateu contra todas as formas de expressão religiosa no que tange ao ensino que os pais cristãos dão aos seus filhos. Essa coação fascista realmente só tem paralelo nos Estados oficialmente ateus ou no velho império romano que perseguia os cristãos e vigiavam suas pregações, prendendo e até matando quando descobriam que alguém estava ensinando o evangelho a outras pessoas. Os cristãos já sofreram muito nas mãos de imperadores sanguinários e de ditadores facínoras, e agora Dawkins faz de tudo para restaurar essa monstruosidade em pleno século XXI, quando pensávamos que os monstros que tinham essa mentalidade já haviam morrido. Não, eles não morreram. A mentalidade antirreligiosa de intolerância e perseguição aos cristãos está mais viva do que nunca – eles estão apenas esperando o momento mais oportuno para agir.

Dawkins sabe que no campo argumentacional eles não prevalecem. Essa é a razão pela qual há décadas os humanistas seculares se infiltraram nas escolas, colégios e universidades para fazer doutrinação marxista e lavagem cerebral ateísta na cabeça dos alunos, que saem dali pensando horrores do Cristianismo e flertando com o neo-ateísmo. Até mesmo na teologia eles se infiltraram, através da teologia liberal, que não crê em nada do que a Bíblia ensina, e cujos ensinos desprezíveis acabam alienando o ingênuo estudante de teologia que entrou ali sem entender de que se tratava de ateísmo disfarçado de Cristianismo, sendo levado a perder a fé.

Mas os neo-ateus perceberam que apenas a doutrinação escolar não está sendo suficiente. Por maior que seja a lavagem cerebral feita nos alunos, a maioria permanece cristã, e o ateísmo permanece como minoria – em alguns países, uma minoria quase insignificante. Ainda era preciso algo mais, alguma coisa que conseguisse superar a doutrinação escolar, e foi aí que eles tiveram a brilhante ideia de proibir os pais cristãos de educarem seus próprios filhos! Eles não se contentaram em somente tomar conta das escolas: agora também querem entrar nos lares de cada família cristã e regular aquilo que pode e o que não pode ser ensinado aos filhos, censurando os ensinos de que a Bíblia é a Palavra de Deus.

Assim você começa a perceber quem são os verdadeiros intolerantes, opressores e fascistas nessa história toda. Os cristãos nunca tentaram impedir que os pais ateus educassem seus filhos da maneira que bem entendessem, inclusive na crença de que Deus não existe, caso assim desejassem. Eu nunca vi um cristão esclarecido escrevendo um livro apregoando que o Estado deve censurar a educação dos pais ateus para impedir que os seus filhos se tornem ateus como eles. Mas, do outro lado, o maior ícone do ateísmo contemporâneo ensina isso explicitamente. Dawkins não vê problema nenhum na doutrinação ateísta das crianças, mas morre de medo da doutrinação cristã. Embora a doutrinação cristã seja moralmente insuperavelmente superior à doutrinação ateísta, Dawkins quer que o Estado dê um jeito nestes pais que insistem em pregar o amor de Jesus e a moralidade cristã aos seus filhos!

Imagine milhares, senão milhões, de mães e pais sendo presos pelo Estado por ensinarem a verdade do evangelho a seus filhos. Este mundo tenebroso parece surreal, mas foi realidade nos primeiros séculos de Cristianismo, foi realidade na União Soviética ateísta, e continua sendo a realidade em muitos países radicalmente muçulmanos. Nada do que Dawkins escreve já não foi testado um dia. O diabo não tem criatividade, ele tem remakes. Tudo aquilo que os neo-ateus sonham para o mundo de hoje já foi colocado em prática e sempre resultou em terror, repressão e genocídio. Todos estes regimes terminaram no fracasso moral, social e econômico, culminando em uma ruína total.

Só um ignorante não percebe que Dawkins não tem ideias originais, mas somente uma reprise de ideias tenebrosas que levaram o mundo aos seus dias mais sombrios. Dawkins precisa tentar restaurar essas ideias fracassadas, porque sabe que é somente deste jeito – na base da força e da coerção – que pode conseguir calar a maioria religiosa, e fazer com que o mundo se curve aos interesses de uma minoria neo-ateísta. Esse nível máximo da apelação não seria necessário se eles não estivessem realmente desesperados. Eles já fizeram de tudo e não conseguiram, e é por isso que precisam atacar a família de uma vez.

Os mais notáveis ateus do início do século passado previam que, dentro de uma ou duas gerações, o mundo veria o despertar de uma nova era, em que deixaria o “delírio” da fé de lado e caminharia para o ateísmo. Um século se passou desde então, e o mundo de hoje é tão religioso quanto o mundo de ontem. As previsões ateístas falharam miseravelmente. Foi assim que eles entenderam que a doutrinação não basta: é preciso a repressão pelas mãos do Estado. Dawkins faz parte desta nova geração que passou da fase um para a dois, que não apela somente para a doutrinação, mas também para a coerção.

Eles já aprenderam a lição de que somente no campo dos argumentos não prevalecem. Precisam igualar a religião com o abuso infantil, como Dawkins faz frequentemente em seu livro, sustentando que a educação religiosa que os pais dão aos filhos é pior do que um estupro literal que uma criança sofre sexualmente. Qual a finalidade disso? Simples: se a educação cristã é pior do que o estupro de crianças, e o estupro de crianças é punível com a prisão, então os pais que doutrinam seus filhos no Cristianismo devem ser presos também. A lógica ateísta é impecável.

Ainda não vemos pais sendo presos acusados de “abuso infantil” por ensinarem aos seus filhos o amor de Jesus, mas só porque os neo-ateus ainda são minoria e não tem todo o poder político necessário para isso. Dê poder a eles, e você verá este país se transformar em uma nova ditadura stalinista, nos mesmos moldes daquela que queimou mais de 40 mil igrejas cristãs dentro de poucas décadas.

Imagine um mundo que é exatamente aquilo que os neo-ateus defendem. Um mundo onde as festividades religiosas (natal, páscoa, etc) são abolidas, onde os feriados religiosos são eliminados, onde qualquer símbolo religioso na esfera pública é aniquilado, onde há doutrinação escolar antirreligiosa nas escolas públicas, onde as igrejas são fechadas ou até queimadas para não haver mais “abusadores de crianças”, onde os pais cristãos são proibidos de expressar sua fé aos seus próprios filhos, onde o Estado vigia e regula a vida privada de cada cristão e censura as suas ideias e opiniões. Você pode pensar que estamos falando do mundo utópico de Dawkins, mas esta é precisamente a descrição da União Soviética de Stalin. Os neo-ateus sonham hoje com o mesmo mundo que já deu errado ontem.

Se os ateus pudessem colocar suas ideias em prática hoje, eles fariam exatamente o mesmo que os comunistas ateus fizeram no século passado. Uma conversa em um grupo ateísta na internet chamado “O Ateu Responde” provou bem este ponto. O moderador perguntou aos demais ateus:

“Se tivessem poder legislativo em assuntos de natureza religiosa e de liberdade religiosa (seja o que for que se entenda por liberdade religiosa), o que mudariam, alterariam, sugeririam?”[3]

As respostas foram das mais esclarecedoras até as mais espantadoras:

Ateu 1 – “Proibira a religião”.

Ateu 2 – “Primeiro, acabava com a educação religiosa na escola pública. Segundo, acabava com os privilégios e com os apoios do Estado às confissões religiosas”.

Ateu 3 – “Uma vez que como espécie sofremos de falta de disciplina e respeito pelo outro, proibiria qualquer manifestação de religiosidade em local público”.

Ateu 4 – “Impor imposto sobre as celebrações religiosas”.

Ateu 5 – “Queimava a Concordata, tirava os subsídios e benefícios fiscais às igrejas, acabava com os feriados religiosos ridículos, secularizava no natal, proibia religião moral na escola, apenas para começar”.

Ateu 6 – “Eu metia a doutrinação como crime de 10 anos de prisão”.

Ateu 7 – “A doutrinação infantil devia ser ilegal definitivamente” (os pais não poderiam educar seus próprios filhos, e sim o Estado ateu, para que eles não se tornassem cristãos quando crescessem).

Ateu 8 – “Iniciava um processo de desintoxicação da sociedade, dada a intoxicação religiosa que ainda se faz sentir”.

Se você pegar estes discursos reais, de ateus reais em uma página ateísta séria, e colocá-los lado a lado com o discurso dos comunistas ateus do século passado (que já vimos no capítulo 9 do livro), que queimaram dezenas de milhares de igrejas e assassinaram dezenas de milhões de cristãos, não verá difereça alguma – exceto, talvez, pelo fato de os militantes ateístas de hoje serem ainda mais raivosos do que os de ontem. O discurso que está na boca de ambos é o mesmo. A filosofia de ensino é a mesma. E a metodologia também tem de tudo para ser a mesma – basta darmos poder a eles, que eles farão neste país a mesma coisa que fizeram nos países onde tiveram este poder.

A diferença entre Dawkins e Stalin é que Dawkins é um ateu antirreligioso que não pode colocar todas as suas ideias em prática, ao passo em que Stalin era um ateu antirreligioso que pôde colocar todas as suas ideias em prática.

David Robertson sabiamente respondeu:

“Acusar os pais que buscam criar seus filhos no amor e na paz de Cristo de serem  abusadores de crianças é desprezível (...) Eu ensino e continuarei a ensinar a meus filhos que a Bíblia é verdadeira e o senhor ora me acusa de fazer-lhes mais mal do que se eu abusasse sexualmente deles. Talvez no Impávido Mundo Novo do Estado Ateu a polícia do pensamento religioso será mandada para rondar e se assegurar de que a meus filhos estão sendo ensinados pensamentos ‘corretos’. Se é certo o Estado arrebatar as crianças de pais que abusarem delas sexualmente, e se você crê que educar um filho na fé cristã é mais abusivo, então logicamente deve acreditar que o Estado devia ter o direito de remover os filhos de semelhantes situações abusivas”[4]

Na Arábia Saudita existe a “polícia religiosa”, que faz o seguinte: se você for flagrado comemorando o natal, você vai preso; se você for pego comendo um pedaço de bacon na sua casa, você vai preso; se você questiona o Alcorão ou “blasfema” contra o Profeta, você vai mais do que preso. Dawkins seguramente deve ser contra esta polícia religiosa muçulmana da Arábia Saudita, mas parece não se tocar para o fato de que o que ele propõe é muitíssimo semelhante a isso, com a diferença de que temos uma polícia atéia ao invés de uma polícia muçulmana fiscalizando os cristãos.

Os pais devem ter o direito de educar seus filhos e ensinar a eles aquilo que bem entenderem, e não cabe a um neo-ateu discriminar aquilo que é “bom” daquilo que é “ruim” de ser ensinado (se um neo-ateu pensa ser “ruim” o ensino cristão aos seus filhos, um cristão pode pensar a mesma coisa a respeito do ensino ateu aos filhos dele). Da mesma forma que temos o direito de educar nossos filhos sobre os valores de vida, sobre boas maneiras, sobre matérias escolares e até mesmo sobre time de futebol, também temos o direito de educá-los sob nossa própria cosmovisão – o ateu tem o direito de ensinar a seus filhos a cosmovisão ateísta, os pais baudistas a cosmovisão budista, os pais agnósticos a cosmovisão agnóstica, os pais cristãos a cosmovisão cristã, e assim por diante. Pais servem para isso; se não podem educar seus filhos sob sua perspectiva, não servem para nada (o pai e a mãe se resumiriam ao papel de incubadores). Se os filhos vão decidir seguir nesta cosmovisão quando crescerem e atingirem a maturidade, aí é outra história – e eles também devem ter todo o direito de mudarem de cosmovisão caso assim entendam ser necessário.

Por fim, Dawkins cai no mais cúmulo do ridículo ao propor uma aberração dessas, porque se seus argumentos (e dos neo-ateus em geral) fossem bons mesmo ele não se preocuparia com a educação cristã às crianças, porque estas crianças cresceriam e se “libertariam” desta “superstição” ao se depararem com os maravilhosos e impecáveis “argumentos” neo-ateístas! Por exemplo, nenhum ateu tem medo que os pais ensinem seus filhos que o Papai Noel existe (e muitos fazem isso realmente), porque eles sabem que não há a mínima chance que a criança, ao crescer, continue crendo nesta bobagem, porque as evidências de que o Papai Noel não existe são esmagadoras. Se alguma criança acredita em Papai Noel, basta deixar o tempo passar e ela crescer que fatalmente mudará de opinião, sem nenhum esforço. Não é preciso o uso da força, nem da polícia, nem sequer de argumentos!

Se Deus fosse um delírio e se a religião cristã fosse mesmo uma “superstição”, como ele diz que é, então ele deveria ser o último a se preocupar com uma coisa dessas. Ele deveria deixar que os pais ensinassem o Cristianismo a seus filhos assim como deixa que ensinem sobre o Papai Noel, e bastaria deixar o tempo passar que essas crianças, ao terem contato com a realidade e ao atingirem a idade da razão, iriam abandonar o Cristianismo independentemente de quanta doutrinação receberam em casa, da mesma forma que abandonam o Papai Noel ainda que seus pais as tenham ensinado isso por toda a vida. Se Dawkins se preocupa com isso, é porque ele não confia em seus próprios argumentos, que não são suficientemente capazes de mostrar que “Deus é um delírio” a uma pessoa na idade da razão, que já tem capacidade de rejeitar uma crença crida até então.

Será que os argumentos ateístas são tão fracos que não são capazes nem de mostrar a um adolescente na idade da razão que suas crenças cristãs são falsas, e que seus pais o ensinaram errado até então? Se sim, então Deus não é um delírio, pois qualquer delírio pode ser facilmente refutado por um bom argumento. Se não, então eles não precisariam se preocupar com a “doutrinação infantil”, porque estas mesmas crianças mudariam fatalmente de opinião ao atingirem a idade da razão e conhecerem os “argumentos” ateístas, de modo que qualquer doutrinação dos pais se tornaria inútil. A verdade nua e crua é que esses ateus não confiam no taco deles, e por isso pensam que é mais fácil calar o outro na força do que convencê-lo pela razão.

Por Cristo e por Seu Reino,

(Trecho extraído do meu livro: "Deus é um Delírio?")


        




[1] William Lane Craig, Em Guarda.
[2] C. S. Lewis, Cristianismo Puro.
[4] David Robertson, Cartas para Dawkins, Décima Carta.

2 comentários:

Envie o seu comentário. Mensagens que contenham insultos, agressões ou desrespeito não serão publicadas. Nem insista.

 

Ateísmo Refutado Copyright © 2011 | Template design by O Pregador | Powered by Blogger Templates