quinta-feira, 2 de abril de 2015

O Novo Testamento apoia a escravidão?


------------------------------------------------------------------------------------------------
O trecho abaixo é extraído de meu livro: "Deus é um Delírio?"
 ------------------------------------------------------------------------------------------------


Você já parou para pensar no por que os cristãos sempre foram os que mais lutaram pelos direitos civis do homem negro e pelo fim da escravidão, enquanto olhavam os humanistas seculares de braços cruzados no outro lado? Se a Bíblia é “a favor da escravidão”, como postulam Dawkins e demais neo-ateus, então por que o inverso não era verdadeiro? Por que não foram os humanistas ateus que lutaram contra a escravidão e os cristãos que lutaram pelo outro lado? O que levou os cristãos confessos, como Wilberforce e Lincoln, a assumirem uma postura a favor da igualdade e contra a escravidão?

Sabemos que houve uma transição do Antigo para o Novo Testamento e uma grande ruptura no sistema da época. Os judeus passaram de senhores a servos, debaixo do domínio e do jugo do império romano. Todos deviam obediência e honra ao César. Paralelamente, como já observamos anteriormente, o mundo romano estava cheio de escravos, vivendo em condições desumanas, em direta oposição à forma de escravidão judaica. Era neste contexto que escrevia Paulo de Tarso, o apóstolo cristão. A grande questão então é: Paulo aprovava a escravidão persistente em seus dias? A resposta é uma grande surpresa para aqueles que insistem em acusar os cristãos de apoiarem a escravidão pela Bíblia.

“Foi você chamado sendo escravo? Não se incomode com isso. Mas, se você puder conseguir a liberdade, consiga-a. Pois aquele que, sendo escravo, foi chamado pelo Senhor, é liberto e pertence ao Senhor; semelhantemente, aquele que era livre quando foi chamado, é escravo de Cristo. Vocês foram comprados por alto preço; não se tornem escravos de homens (1ª Coríntios 7:21-23)          

Não se tornem escravos de homens!

Esta declaração, claramente contra a escravidão, foi feita por Paulo há dezoito séculos antes do fim da escravidão na maioria dos países do mundo. Para o apóstolo, era importante que um escravo conseguisse a liberdade. Ao invés de ele dizer: “não tente conseguir a liberdade”, ele os encorajava a consegui-la. Nenhum escravocrata diria uma coisa dessas.

A única “escravidão” que Paulo concordava era uma metáfora: a sujeição ao senhorio de Jesus Cristo, nosso Senhor e Rei. Não uma servidão a homens, a quem Paulo dizia para não se tornar escravos. Paulo, portanto, era contra a escravidão física a seres humanos, e a favor de uma servidão espiritual a Cristo, no sentido de seguir os seus ensinamentos morais e a conduta de vida cristã, da qual trataremos melhor no capítulo seguinte.

Outra declaração explícita de Paulo contra escravidão foi dita aos colossenses, quando ele fala sobre a “nova vida”, que é a vida cristã de um regenerado:

“Nessa nova vida já não há diferença entre grego e judeu, circunciso e incircunciso, bárbaro e cita, escravo e livre, mas Cristo é tudo e está em todos” (Colossenses 3:11)

Paulo diz que Jesus quebrou a barreira que dividia escravos e livres, da mesma forma que quebrou as barreiras entre nacionalidade e etnia. Já não há mais diferença entre escravo e livre, um não é melhor que o outro. Paulo foi um dos precursores ideológicos da igualdade, tolerância e fraternidade, numa época em que quase todos discriminavam e rebaixavam os escravos, ou sequer os consideravam plenamente humanos. Para Paulo, todos estavam em igualdade espiritual, todos os seres humanos tinham o mesmo valor diante de Deus e todos nós merecemos dignidade e respeito, pois na teologia cristã todos os humanos foram criados à imagem e semelhança de Deus:

“Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27)

Enquanto para os humanistas seculares existem raças humanas mais “evoluídas” que as outras – o que quase sempre resulta em discriminação e racismo – para a teologia cristã todos os seres humanos possuem valor igual diante de Deus. O Cristianismo restaurou a dignidade humana perdida no mundo. Gleason Archer se expressou muito bem quando disse:

"No que concerne ao status moral da escravidão nos tempos antigos, devemos reconhecer que era praticada por todos os povos antigos de que temos registros históricos: egípcios, sumérios, babilônicos, assírios, fenícios, sírios, moabitas, amonitas, edomitas, gregos, romanos, e todos os demais. A escravidão fazia parte da vida e das culturas antigas, tanto quanto o comércio, os impostos e os cultos no templo. Só depois do surgimento de um conceito mais elevado do ser humano e de sua dignidade inata como pessoas criada à imagem de Deus, o qual permeou o mundo em decorrência dos ensinos da Bíblia, é que surgiu também um forte sentimento na cristandade contra a escravidão. Passou-se a questionar a razão da existência do escravo. Não se tem conhecimento  de um movimento equivalente favorável à abolição da escravatura em nenhuma civilização não-cristã”[1]

A Bíblia, desde Jó, já mostrava que todos os seres humanos são iguais:

“Se neguei justiça aos meus servos e servas, quando reclamaram contra mim, que farei quando Deus me confrontar? Que responderei quando chamado a prestar contas? Aquele que me fez no ventre materno não fez também a eles? Não foi ele quem formou a mim e a eles no interior de nossas mães? (Jó 31:13-15)

O próprio Senhor Jesus também condenou a escravidão quando disse:

"Vocês sabem que aqueles que são considerados governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre vocês. Pelo contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo; e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo de todos. Pois nem mesmo o Filho do homem veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Marcos 10:42-45)

Jesus claramente proibiu a escravidão entre os cristãos, que se baseia na forma mundana onde as pessoas importantes dominam e exercem poder sobre os demais. “Não será assim entre vocês” é uma enfática declaração de que, em uma sociedade com cultura cristã, a escravidão deveria ser completamente repudiada. A única forma de servidão que Cristo ensinava, como vemos no contexto, é a da humildade. É alguém fazer o que o próprio Senhor Jesus fez aqui na Terra: se despir de toda a glória para humildemente viver para ajudar o próximo, dando a própria vida pelos outros se assim for necessário.

O Cristianismo é tão revolucionário na questão da escravidão que é o único livro antigo que possui uma carta inteira dedicada a interceder por um escravo. O apóstolo Paulo, ao invés de não se importar com a vida dos escravos (como era o costume da época que perdurou por muitos séculos), escreveu uma carta inteira a Filemom, presente no Novo Testamento cristão, cujo único objetivo era interceder pela vida de um escravo fugitivo, chamado Onésimo. A lei romana punia com a morte tal ato de desobediência, mas Paulo rogou a Filemom, o dono do escravo:

“Mesmo tendo em Cristo plena liberdade para mandar que você cumpra o seu dever, prefiro fazer um apelo com base no amor. Eu, Paulo, já velho, e agora também prisioneiro de Cristo Jesus, apelo em favor de meu filho Onésimo, que gerei enquanto estava preso. Ele antes lhe era inútil, mas agora é útil, tanto para você quanto para mim. Mando-o de volta a você, como se fosse o meu próprio coração. Gostaria de mantê-lo comigo para que me ajudasse em seu lugar enquanto estou preso por causa do evangelho. Mas não quis fazer nada sem a sua permissão, para que qualquer favor que você fizer seja espontâneo, e não forçado.
Talvez ele tenha sido separado de você por algum tempo, para que você o tivesse de volta para sempre, não mais como escravo, mas, acima de escravo, como irmão amado. Para mim ele é um irmão muito amado, e ainda mais para você, tanto como pessoa quanto como cristão. Assim, se você me considera companheiro na fé, receba-o como se estivesse recebendo a mim. Se ele o prejudicou em algo ou lhe deve alguma coisa, ponha na minha conta. Eu, Paulo, escrevo de próprio punho: Eu pagarei – para não dizer que você me deve a sua própria pessoa”[2]

Paulo sabia que Onésimo, o escravo fugitivo, corria sério risco de morte se fosse pego pelas autoridades romanas, e Filemom poderia exigir o cumprimento da lei romana que previa a pena de morte para o escravo. Então ele escreve uma carta inteira em favor de um escravo, fato este que não tem paralelo em nenhum documento da história secular (não-cristã) da época, pois ninguém dava atenção aos escravos, além dos cristãos. Paulo não apenas salvou a vida daquele escravo ao interceder por ele, mas também disse que todo o prejuízo financeiro causado a Filemom lhe seria pago do seu próprio bolso!

Pense nisso: quem, em uma época onde o escravo não era tratado nem como gente, iria escrever uma carta inteira rogando pela vida de um escravo, iria correr o risco de ser condenado como cúmplice do crime por ter ajudado o escravo que de alguma forma o encontrou e foi ajudado por ele, e ainda por cima iria arcar do seu próprio bolso com todos os prejuízos financeiros causados pelo escravo pelo tempo em que estava foragido? Quem iria perder seu tempo, arriscar sua vida e perder seu dinheiro por alguém, a não ser que este alguém (o escravo) fosse valorizado por ele?

Alguns ainda chegam a contestar: se Paulo era contra a escravidão, por que ele não incentivou os escravos a se rebelarem contra os seus senhores para serem livres? Eu penso que quem faz uma pergunta dessas é realmente inconsequente. Pipe Desertor fez uma ótima sátira de como Paulo deveria ter feito isso caso realmente quisesse levar essa ideia adiante. Ele teria dito:

“Rebelem-se! Não os sirvam! Não se sujeitem! Não esperem ser livres pela lei romana. Libertem-se por si mesmos! Se forem obrigados a servir, sirvam com amargura e ódio aos seus senhores! Os odeiem! Não os honrem de maneira nenhuma!”[3]

O que vocês acham que teria acontecido caso tivessem seguido este conselho? Pipe conclui que seriam todos executados ou presos. É por isso que os primeiros cristãos, mesmo contra a escravidão, tinham que agir com sabedoria e prudência a respeito disso em um mundo que era todo regido à escravidão. É fácil falar isso em um mundo onde a escravidão foi superada, mas dizer nestes termos para aquela época seria o mesmo que sacrificar a vida de milhões de escravos que não teriam a mínima chance lutando contra as legiões romanas muito mais bem preparadas e treinadas. Seria um banho de sangue, e Paulo teria sido responsável por isso.

Portanto, os conselhos dos apóstolos aos escravos no Novo Testamento em nada têm a ver com alguma apologia à escravidão, e sim um conselho sobre como eles poderiam lidar em meio àquela realidade, sobre como viver de uma forma cristã ainda que em meio às adversidades. Os cristãos não tinham poder, naquela altura, para iniciar uma rebelião, por isso tinham que se adaptar às circunstâncias da melhor forma que fosse possível. Mas quando os cristãos evangélicos ganharam o poder na Inglaterra e nos Estados Unidos, não faltaram políticos cristãos que lutassem contra a escravidão em frente aos humanistas seculares e aos cristãos não-praticantes, que eram como ateus na prática.

Essa é a diferença: enquanto o Cristianismo, se levado a sério e vivido na real, caminha para o fim da escravidão, o humanismo não possui nenhuma moralidade objetiva que leve a este mesmo caminho, nem nenhum conjunto de leis morais que movam o coração de um humanista e que o leve a refletir e a lutar pelos direitos humanos. O contraste é gigantesco. Enquanto humanistas ateus como Marx e Engels eram vigorosamente a favor da forma mais cruel de escravidão em pleno século XIX, os cristãos praticantes já eram contra a escravidão no século I. É preciso ser muito ignorante para não perceber o abismo que separa a moral de um e do outro.

E, mesmo assim, Dawkins ainda tem a cara de pau de dizer em seu livro:

“E há, também, os avanços na educação e, em particular, a compreensão cada vez maior de que todos nós possuímos a humanidade em comum com membros de outras raças e do sexo oposto – ambas as ideias profundamente não bíblicas que vêm da ciência da biologia, especialmente da evolução”

Ideias “profundamento não-bíblicas”? Se ele se informasse um mínimo que fosse, descobriria que desde sempre a moral judaico-cristã foi a única que, muito antes de Darwin, sustentou que todos os seres humanos são iguais, criados à semelhança de Deus (Gn.1:27) e que merecem todo o nosso amor e compaixão (Gl.5:14). Mas o pior não é isso, mas sim ele dizer que essas ideias vêm da teoria da evolução – sim, aquela mesma popularizada por Darwin, que disse isso sobre a sua teoria:

“Em algum período futuro, não muito distante se medido em séculos, as raças civilizadas do homem vão certamente exterminar e substituir as raças selvagens em todo o mundo. Ao mesmo tempo, os macacos antropomorfos... serão sem dúvida exterminados. A distância entre o homem e seus parceiros inferiores será maior, pois mediará entre o homem num estado ainda mais civilizado, esperamos, do que o caucasiano, e algum macaco tão baixo quanto o babuíno, em vez de, como agora, entre o negro ou o australiano e o gorila (...) Olhando o mundo numa data não muito distante, que incontável número de raças inferiores terá sido eliminado pelas raças civilizadas mais altas!”[4]

Dawkins deveria realmente ter vergonha de dizer que a ideia de igualdade não vem da Bíblia e sim do darwinismo – se ele estudasse um pouquinho do primeiro e não fosse tão tendencioso quanto ao segundo, nos pouparia de ouvir tantas bobagens.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)

(Trecho extraído do meu livro: "Deus é um Delírio?")


- Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.



[1] Gleason Archer, Enciclopédia de Temas Bíblicos, Editora Vida.
[2] Filemom 1:8-19.
[4] ibid.

0 comentários:

Postar um comentário

Envie o seu comentário. Mensagens que contenham insultos, agressões ou desrespeito não serão publicadas. Nem insista.

 

Ateísmo Refutado Copyright © 2011 | Template design by O Pregador | Powered by Blogger Templates